DATA

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

OS PRECEITOS DO SENHOR

A Palavra do Senhor tem seus preceitos:
Lei que eleva-nos à vida de caridade,
Que nos ensina agir na simplicidade,
A inserir-nos no mais profundo da comunhão,
 Para buscarmos na mesa do Vinho e do Pão,
O sentido mais verdadeiro da santidade.

Os conselhos do Senhor são superiores,
Às prescrições da pedra e do papel,
É Carne, é Homem, é o Emanuel,
Que veio ao mundo conosco morar,
Renovando a lei pra nos alimentar,
Num banquete vivo de leite e mel.

A voz do Senhor nos faz pensar:
Nas impurezas do nosso coração,
Nas misérias que fazem a devastação,
Na hora dos lábios quando superficiais,
Pelo culto vazio e as regras materiais,
E pela busca de uma vida de ilusão.

O olhar do Senhor nos levará,
Ao verdadeiro culto que faz viver,
Pela santa Palavra que nos leva a crer,
Que a voz verdadeira não enganará,
Que sua força nos salvará,
Basta seguir o amor e obedecer.

Os caminhos do Senhor nos levarão:
A falar do amor e da alegria,
A prestar um culto de verdade a cada dia,
Para levar a paz na vida em missão,
Expulsando os males que saem do coração,
Pela Santa Palavra que nos recria.


sábado, 22 de agosto de 2015

ESCOLHER O CAMINHO

O Senhor nos pede uma escolha:
Caminhar na vida com ele,
Ou outro percurso seguir,
Mesmo já tendo iniciado o caminho,
Alguém pode desistir.

Perder-se em meio à multidão?
Seguir os desejos do coração?
Ou a palavra da vida não mais ouvir?

O Senhor nos pede uma decisão,
Quando sua palavra escutarmos,
 E refletindo, logo escolhermos,
Com ele não mais caminharmos.

Porém, sem ele somos pobres a mendigar,
Podemos seguir um ídolo e adorar,
E numa vida vazia mergulhamos.

E a quem podemos seguir, Senhor?
Se tuas palavras são espírito e vida,
Porque os deuses adorar?
Se somente em ti, o perdão e acolhida?

Pois tua palavra é o Santo Pão,
Teu corpo é sangue, é comunhão,
Que se faz na comunidade reunida.



sábado, 15 de agosto de 2015

A PRIMEIRA CRENTE DA NOVA ALIANÇA

Aberta à voz de Deus e ao seu chamado,
Grávida de Deus, a serviço da vida e da esperança,
Lá vai a caminheira para a santa missão,
Como primeira crente da nova Aliança.

Vai pelas montanhas entre o vento e a poeira,
Motivada pelo amor e levando a força da redenção,
Visita a sua prima Izabel com gratuidade fraterna,
Levando um cântico de alegria, profecia e libertação.

Sua alma é engrandecida pelo amor supremo,
Pois a alegria é plena do Espírito Divino,
Porque o mundo a chamará Senhora Bendita,
Porque da sua boca nasce o anúncio, por um belo hino.

Porque Deus pela sua graça e imensa força,
Libertará da morte os que são sofredores:
Os famintos, os cegos, os presos às coisas terrenas,
E os alimentará com a vida e tirando as dores.

És glorificada no céu de corpo e alma,
Porque em Cristo és mãe e santificada,
Por isso o nosso culto a ti elevamos felizes,
Porque és a primeira cristã de vitória alcançada.

Mãe de Deus e de todos os homens,
Que teu cântico faça-se em nós, urgente,
Inundando-nos com o teu amor e tua da fé,
Fazendo-nos servos e teus filhos crentes.

Rogai por nós, nos vales dos nossos sofrimentos,
Mãe da profecia e cheia do belo cantar de amor,
Ensina-nos a sermos vazios de nós e cheios da Graça,
Como servos atentos e santos de Nosso Senhor.


domingo, 9 de agosto de 2015

PORQUE MURMURAS?

Porque murmuras?
Ó Criatura,
Nesta caminhada,
Pelas estradas,
Cadê a ternura,
Por teu Senhor,
Que tem amor,
Que é o alimento,
Na noite escura.

Porque reclamas?
Discípulo irmão,
Por mim chamado,
E enviado,
Sempre em missão,
Estou contigo,
Sou teu amigo,
Sempre ao seu lado,
Em comunhão.

Se estás cansado,
Eis minha mesa,
Pronta pra ti,
Para seguir,
Tens gentileza,
Há muita estrada,
Até a chegada.
Acorda e vai,
Sempre em firmeza.

O Santo Espírito,
Já te marcou,
Pra seres irmão,
Em comunhão.
Se há discórdias,
Vivei no amor,
Sem o rancor,
Buscai a Paz,
Sou teu Senhor

sábado, 1 de agosto de 2015

O PÃO QUE VEM DO CÉU

 

Além do pão que vem da terra,

Que do trigo novo se faz grãos,

Plantado pelas mãos humanas,

Fruto do amor e da Criação,

Temos o pão da eternidade,

Que nos traz a novidade,

Para a nossa salvação.

 

Pão que se dá na Palavra Santa,

Pelas letras do Livro Sagrado,

Que nos orienta para a caminhada,

Fazendo sempre nos sentir amados,

Que muda nossos comportamentos,

Que transforma nossos sentimentos,

Como pérola e tesouro encontrado.

 

Pão que se oferece para a vida nova,

Na Mesa de todos e bem preparada,

Onde todos se voltam para o Alimento,

Como irmãos felizes da mesma estrada,

E então se alimentam e se saciam,

E depois para mundo todos anunciam,

Esse Pão nos leva a eterna morada.

 

Alimento e Bebida que nos realiza,

Que nos sacia perfeitamente,

Dando-nos o sentido mais completo,

Alimentando a nós, a sua gente,

Configurando-nos ao seu imenso amor,

Nosso Pão da vida e Nosso Senhor

Força que nos faz seguir em frente.

 

Busquemos sempre por este Pão,

Nos caminhos da vida espiritual,

Mas não deixemos de trabalhar,

Também pelo alimento material,

Porém o Pão do céu é a maior razão,

Que nos dá força na tribulação,

Para a nossa vida, é santo sinal.

 

Por isso Senhor nós te pedimos,

Alimente em nós a confiança,

Pela providência do pão de cada dia,

Ensinai-nos o perdão em perseverança,

Perdoai-nos também as nossas ofensas,

Quebrai em nós toda a prepotência,

Para que brote a Paz e a Esperança.



sábado, 25 de julho de 2015

A PARTILHA DO REINO

 

A Palavra de Cristo fará nascer a partilha,
Quando os irmãos no amor se abraçarem, 
Quando acontecer a perfeita comunhão,
Como numa festa se confraternizarem.
E assim deixando que a vida possa pregar,
Numa ação viva de tudo se partilhar,
E do amor fraterno se alimentarem.

Porque persiste a fome em nosso mundo?
Quando tantos se encontram na mesa do Senhor?
E se extasiam do encontro aconchegante,
Mas parece que no envio perde-se o ardor.
Volta-se pra casa com uma certa incoerência,
Porque não se deixa palavra habitar a consciência,
E o coração inflamar-se do divino amor.

O Senhor nos pede que vivamos a partilha,
E que as sobras dos pães sejam guardados,
Para quando um novo encontro vir a acontecer,
E os irmãos famintos sejam também alimentados,
Porque o amor e a partilha grande milagre serão,
Para que não passe fome nem um dos irmãos,
Que ao pão da vida eterna tenha procurado.

E assim o mundo será novo e muito diferente,
Quando compartilharmos carências e os sentimentos,
O mar da fome e da morte será atravessado,
Porque todos os homens serão alimentados,
E a sede também não terá mais vez,
Porque também não haverá a escassez,
E a casta água saciará todos os necessitados.

Hoje vamos à mesa santa do Senhor mais uma vez,
Para comermos o pão do amor e da comunhão,
Para beber o vinho da vida e da alegria,
No encontro que nos faz todos irmãos.
Para que sejamos para o mundo a fraternidade,
Testemunho que alerta toda a humanidade,
Para o caminho leva vida e à salvação.

sábado, 18 de julho de 2015

A COMPAIXÃO DE JESUS

Coração que acolhe,
Que tem atenção,
Que dispensa o descanso,
Que dá proteção,
Que tem tanto amor,
Vê no povo o valor,
Da sua missão.

Coração que contempla
Que vem abraçar,
Que olha as ovelhas,
Sem as desprezar
Pastor santo e forte,
Que expulsa a morte,
Para a vida dar.

Coração solidário,
Com olhar sempre atento,
Para os desprezados,
Sendo altar e alimento.
Aos que vem ao convívio,
Traz a todos o alívio,
Saciando os sedentos.

Coração que ensina,
E nos chama atenção,
Pelos tantos desprezos,
E ausência da missão,
De alguns dos pastores,
Que não são protetores,
Por faltar compaixão.

Coração que alerta,
Sobre o nosso egoísmo,
Quando buscamos bem estar,
Somente no individualismo,
Esquecemos os sofridos,
Abandonamos os feridos,
E vivemos o cinismo.

Abrasai ó Senhor,
Nosso ser, nossa vida,
Tocai nossa memória,
Às vezes adormecida.
Ensinai a compaixão,
Para vivermos a ação,
Na missão assumida.